Você está em: Notícias»7 DE SETEMBRO DIA DA INDEPENDÊNCIA: POR QUE DEVEMOS CANTAR O HINO NACIONAL?

7 DE SETEMBRO DIA DA INDEPENDÊNCIA: POR QUE DEVEMOS CANTAR O HINO NACIONAL?

7 DE SETEMBRO DIA DA INDEPENDÊNCIA: POR QUE DEVEMOS CANTAR O HINO NACIONAL?
Por ser mais que nacional, é pessoal e atual. O grito forte que as margens do rio Ipiranga ouviram dava apenas duas alternativas: ser independente ou morrer. Não existe vida plena para quem é dependente, seja de quem ou do que for. E este povo heroico e sofrido precisa ver um sol brilhar não só no céu da pátria, mas no próprio peito, nesse instante. E se o preço para conquistar a igualdade for a própria morte, então que o anseio se traduza em braços fortes que buscam a liberdade. Um salve para a pátria que precisa ser amada. Que nossos sonhos continuem vívidos, com amor e com esperança na cruz desenhada na constelação de nosso céu. Que este céu seja de sorrisos e nunca sujo. Por natureza nossa terra é grande e forte, mas nosso futuro precisa espelhar este colosso. A terra até pode ser mais uma entre outras mil, mas precisa ser amada. Amada e respeitada como as mães amam de forma gentil. Temos sim vistas pro mar e um céu de azul profundo, mas precisamos acordar deste sono acomodado e sair deste berço esplêndido. O maior da América ainda precisa migrar para um novo mundo. Não adiantariam bosques floridos, campos risonhos se a vida no seio desta terra não se povoar com mais amores. Nem paixão, nem idolatria, só mais um salve para a pátria. Seremos símbolo de amor eterno se entendermos que não tivemos assim tanta glória no passado e a paz futura ainda está longe de ser conquistada. Tenho dúvidas, no momento em que a verdadeira Justiça erguer contra nós sua clava forte, se não fugiremos à luta, se doaremos a vida, se não nos acovardaremos com a própria morte. Tem mais de mil, mas é aqui que vivemos, tem que ser aqui a pátria amada. E se minhas palavras não tiverem força, apelo ao são Caetano, o Veloso, que um dia disse: “A língua é minha pátria e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria”. Autor: Edson De Moraes Poscidonio


© 2018 - Desenvolvido por Lancer